A influência da alimentação na saúde mental

Não é novidade que a alimentação pode fazer muita diferença na saúde do corpo. Mas você sabia que ela pode influenciar, até mesmo, sua saúde mental?

Sim! E, de acordo com o psiquiatra Drew Ramsey, professor da Universidade Colúmbia, nos Estados Unidos, existe até uma escala de nutrientes essenciais na prevenção e combate aos distúrbios (principalmente a depressão) e, nesta escala, ômega-3, magnésio, fibras, zinco, ferro, além das vitaminas C, B1, B9 e B12 devem ser destaque para manter a saúde do cérebro.

Ramsey afirma que a mudança para uma dieta rica em folhas verdes, oleaginosas e peixes pode diminuir em até 50% o risco de depressão.

E aqui no Brasil também existem estudos que apontam na mesma direção! De acordo com a mestre em neurociências Selma Dovichi, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), quando os nutrientes fornecidos ao cérebro não são suficientes, o sistema nervoso não consegue realizar suas atividades normalmente. As consequências disso são a menor oferta de neurotransmissores e falhas na comunicação entre os neurônios, alterações que elevam as probabilidades de enfrentar desordens mentais, como a depressão.

Dietas "pró-inflamatórias", com muito consumo de açúcar, sal, alimentos refinados e gorduras saturadas, podem "inflar" o cérebro e inibir fatores neurotróficos, responsáveis por estimular a formação de novos neurônios, fator que contribui para o surgimento dos sintomas depressivos.

Mas o que realmente comer para ajudar o cérebro? Antes de mais nada, é importante consultar um nutrólogo. Alguns itens não podem faltar: ômega-3 (tem comprovada propriedade benéfica para a massa cinzenta do cérebro), vitamina B-12 (sua falta está muito associada à depressão) e vitamina C (que já foi estudado como um "otimizador" dos remédios antidepressivos). Além disso, é importante não ter uma dieta restritiva ou radical: os carboidratos, por exemplo, estão na lista de alimentos importantes para dar energia e fazer seu cérebro funcionar bem. O que o nutrólogo faz é adequar as proporções ideais de cada classe de alimentos ao perfil de funcionamento do corpo do paciente, levando em consideração suas particularidades e o estilo de vida do paciente.

Depoimentos:

Fale conosco:

* Preenchimento obrigatório

Matérias e artigos relacionados:

  • Alimentos que aumentam a imunidade e diminuem a inflamação

    Manter o distanciamento social, usar máscara e ter hábitos de higiene são os meios que existem para a nossa proteção contra o coronavírus. Mas você sabia que a alimentação também pode ser uma aliada contra este e outros patógenos?
    Saiba mais

  • A ansiedade e a compulsão alimentar

    Ficar muito tempo em casa tem nos deixado mais ansiosos, não é mesmo? A ociosidade, o medo, o tédio, a enxurrada de notícias ruins que aparecem todos os dias e o fácil acesso aos alimentos estocados dentro de casa criam o cenário ideal para a compulsão alimentar acontecer.
    Saiba mais