Suplementos funcionam? Aumentam a imunidade?

Com o medo gerado pela pandemia do Covid-19, houve um aumento na venda de suplementos de vitaminas e minerais. Mas será que isso é mesmo útil para a saúde? Aumenta mesmo a imunidade? Não gera nenhum prejuízo para o corpo?
Se você tem curiosidade em descobrir as respostas para essas perguntas, confira a entrevista que fiz para o Programa Charme da TV Galega:

Apresentadora:
Doutora, a gente vem percebendo que o consumo de suplementos tem aumentado no Brasil segundo uma pesquisa. E muito disso é porque acredita-se que esses suplementos e vitaminas aumentem a imunidade.
Então, nossa conversa é para analisarmos até que ponto isso é verdade e até que ponto é mito que vai se criando.

Dra. Laira:
É bem importante falar sobre a suplementação porque tem muita gente que começa a comprar indiscriminadamente por causa do medo, assim como as medicações, que podiam ser tomadas antes e que agora precisam de receita. As pessoas, pelo medo, acabam fazendo coisas erradas. A suplementação, quando a pessoa tem alguma deficiência de nutriente e é feita de uma maneira adequada, é excelente. Mas quando a pessoa começa a tomar indiscriminadamente, ela vai perdendo a noção do que precisa.
Por exemplo, existem vários minerais nesses suplementos, não só vitaminas. A pessoa pode ter uma deficiência de zinco e não ter deficiência de cobre. E na suplementação vem um pouquinho de cada. Assim, além de a suplementação dar o cobre que ela já tem e não precisa, o zinco que vem é uma suplementação básica, sem ser a quantidade necessária. Por isso, é muito importante que a pessoa que quer fazer suplementação, faça exames e veja realmente o que ela tem de deficiência para melhorar a imunidade. Aí sim, funciona. Com acompanhamento médico, com o médico solicitando todos os exames.
A gente vê muito esse cenário com a vitamina D.

Apresentadora:
Eu ia comentar isso agora. A famosa vitamina D. Até que ponto ela é necessária? Eu sei que cada caso é um caso, mas até que dosagem uma pessoa considerada normal poderia tomar diariamente?

Dra. Laira:
A vitamina D não é uma vitamina, ela é, na verdade, um hormônio.
Ela é extremamente necessária quando a pessoa tem deficiência porque ela participa de diversas funções no organismo, desde uma gestante para evitar um aborto ou um autismo, até evitar uma diabetes ou um câncer. Isso porque ela ajuda na renovação celular. Mas, ao mesmo tempo, se a pessoa não tem deficiência e faz uma reposição errada, ela é tóxica pro fígado. Ou seja, é uma faca de dois gumes.
Ela é extremamente necessária e a maioria (90%) da população tem deficiência, ainda mais nesta época de inverno já que ela é ativada pelo sol.
A vitamina D é 90% absorvida pela exposição solar. 10% pode se tirar na alimentação.
Que alimentos que a contêm? O ovo, alguns peixes... São poucos alimentos, mas existem. Só que a absorção a partir dos alimentos é muito baixa, então, a pessoa precisa ter exposição solar para converter em vitamina D.

Apresentadora:
E quanto tempo doutora?

Dra. Laira:
Então, isso é muito relativo. Se você for levar à risca, o melhor horário seria ao meio dia. Mas aí temos o câncer de pele, certo? Então, não podemos levar em consideração.
Por isso, o melhor horário é aquele você consiga ficar 1 hora exposto, nos horários permitidos. Com o detalhe: 1 hora de exposição solar, mas sem protetor solar, pois o protetor bloqueia a exposição.
No consultório, eu digo assim: pega uma meia hora de sol sem protetor, no horário permitido, assim que você puder. Mas o ideal, já que temos muita dificuldade, é suplementar.
Aí que entram os suplementos.

Apresentadora:
Temos uma escala de medidas para vitamina D que é internacional, a UI. E muitas pessoas dizem que tomar até 1000 UIs diariamente não interferiria na saúde do indivíduo. Isso é verdade ou mesmo assim necessita de um exame?

Dra. Laira:
As 1000 UIs usamos como uma dose de manutenção. Então, se a pessoa está com um bom nível de vitamina D, ela pode fazer uma dose de manutenção com 1000 UIs. Agora, se ela tem uma deficiência grande, as 1000 UIs vão ser orientadas a serem usadas, mas por um determinado período de tempo.
Além de as pessoas, quando não fazem exames, exagerarem na quantidade, elas podem também errar tomando pouca quantidade pro organismos delas. Por isso, é muito importante dosar e ter um profissional médico orientando a melhor quantidade para ser usada. Existem cápsulas de 7000 UIs, que é para a pessoa tomar uma vez por semana.

Apresentadora:
Que corresponde a 1000 UIs por dia.

Dra. Laira:
Isso, para não precisar tomar todo dia.
E existe também a de 50000 UIs, que seria tomada uma vez por mês.

Apresentadora:
Bom, então a recomendação é procurar a orientação médica sempre.

Dra. Laira:
Sim.
Sempre cuidar com a exposição solar. Entender a relação de vitamina D x câncer de pele.
Nós temos uma genética, principalmente no Sul, de predisposição para o câncer de pele. Apesar de que, a vitamina D, quando está na quantidade ideal, atua na divisão celular e ajuda a evitar a replicação das células cancerígenas. Só que, claro, isso não te dá o direito de sair se expondo ao sol.
Então é muito importante a combinação de suplementação com um pouquinho de exposição solar, que é necessária para o nosso corpo. O equilíbrio sempre.

Apresentadora:
Eu até acho que, neste momento, as pessoas estão até pecando mais pelo excesso, justamente por causa do medo da Covid-19, do que pela falta.
Porque é difícil encontrar uma pessoa hoje que não diga que está tomando vitamina D. Mas naquele jeito, né? Muitas vezes sem a orientação, sem ter feito um exame antes. E o excesso pode acarretar vários problemas na saúde da pessoa também, né?

Dra. Laira:
Sim, causa intoxicação.
Existem outras vitaminas que também, em excesso, são tóxicas.
E as pessoas acham que é muito tranquilo chegar na farmácia e comprar uma suplementação "de A a Z". Isso, na verdade, não vai piorar, mas também não vai ajudar porque as doses são mínimas.
São doses de manutenção para quem teria todas as vitaminas em uma boa quantidade. Mas a maioria das pessoas vai ter deficiência em alguma coisa. Então, é muito básico.
Mas a vitamina D é uma vitamina excelente. Ela tem várias funções. Ajuda a evitar ovário policístico em adolescentes, alguns tipos de câncer, raquitismo em bebês, osteoporose em mulheres, etc. Se bem utilizada, ela é excelente. Mas tem que sempre ter esse cuidado.

Apresentadora:
Há alguma relação entre o exercício físico e a vitamina D? O exercício físico ajuda a fixar a vitamina D no corpo ou não tem nenhuma relação?

Dra. Laira:
Não. Na verdade, a vitamina D é que ajuda a melhorar a musculatura.
Existem muitas pessoas que sentem fadiga e cansaço e a deficiência de vitamina D pode ser uma das causas disso.
Eu tenho pacientes, por exemplo, que são esportistas e que chegam pra mim falando: "Eu não estou dando conta de fazer, estou sentindo fadiga". Aí a gente faz os exames e geralmente tem deficiência de vitamina D.

Apresentadora:
Muito interessante. Porque pode até pensar que é um cansaço mental e, na verdade, é uma falta de vitamina D.

Dra. Laira:
Sim, é uma deficiência de vitamina D. Ela é bem importante para o organismo.

Apresentadora:
Doutora, você deve estar atendendo no consultório agora, por causa da pandemia, muitas pacientes também com problema de ansiedade e que descontam isso na alimentação.
Você pode falar sobre isso rapidamente?

Dra. Laira:
Sim. Eu vejo assim: As pessoas estão se percebendo agora. Porque, antes, elas ficavam arrumando escapes, como o trabalho, sair com os amigos... Não que seja errado. Mas as pessoas tinham pouco tempo para ficar em casa e olhar para si mesmas. De repente, a situação fez todo mundo parar e ter que ficar dentro de casa. E aí, qual vai ser o escape? A comida.
Então, sim, estou tendo várias pacientes com crise de ansiedade, comendo bastante.
É interessante porque as pessoas associam muito comodidade e conforto com qualidade de vida. E não é assim.
Não é errado você comer bem. Mas tem que ter um equilíbrio.
Então, acontece muito sim. E eu noto que as pessoas estão se percebendo agora. Porque ficam em casa, aí fazem home office. Vamos dizer que seria o sonho de muita gente, trabalhar em casa, cuidar do filho. E, de repente, viram que precisam de um tempo pra si, pra sair e respirar. Por isso é importante sempre lembrar que conforto e comodidade nem sempre são sinônimos de qualidade de vida.
O exercício físico é extremamente importante e nesse tempo as pessoas ficaram sem o exercício. E aí deprime mesmo.
A deficiência da vitamina D também é uma das causas da depressão. E a pessoa deixa de sair e acaba se isolando do sol.
Imagina, desde março... É muito tempo sem exposição solar.
Eu diria para as pessoas: primeiro procurem o equilíbrio alimentar. A imunidade vem, principalmente, através da alimentação. Por isso, tomar vitamina não adianta se você não tem uma alimentação adequada.
Exercício físico, sim. Não precisa ser todos os dias, mas tire um horário para você se exercitar. Pegue um ar puro, pegue um pouco de sol. Beba bastante água.
São dicas básicas para se manter saudável e fazem toda a diferença.

Depoimentos:

Fale conosco:

* Preenchimento obrigatório

Matérias e artigos relacionados: